Fiquei aqui pensando

Não gosto muito de ficar comparando os lugares que a gente já foi, mas um dia desses me peguei fazendo isso e lembrando a loucura que é a Índia e me deu uma saudade. Ainda mais por agora estar aqui no Sul da Ásia e os países serem um pouco semelhantes nos costumes, na comida, a Índia, que nem é tão longe daqui, consegue ser bizarra e incrivelmente um outro mundo que parece muito longe daqui. Acho que minha parte favorita é que quando a gente chegava numa cidade, não precisava muito se programar: “vamos no museu tal?, vamos no lugar x?”. Sair na rua é já garantir um ticket de entrada para um lugar desconhecido. É só caminhar ou ficar parado observando que certamente será uma experiência interessante. Aquele cheiro de cocô de vaca misturado com tempero do bazar, a música, a buzina, a gritaria, o chai, os sarees coloridos, o tuc tuc atravessando e quase esmagando o meu pé, a pobreza, a sujeira, o sorriso, os cachorros de rua, a fé. Tudo junto isso junto tinha tudo para ser um desastre, mas não é.

Fiquei pensando que a melhor coisa foi ter escolhido como ponto de partida da Ásia. A Índia, como eu gosto de dizer, foi uma escola pra mim. Aprendi a pechinchar como ninguém e hoje já me sinto PhD no negócio. Aprendi a tentar julgar menos os costumes, o que muitas vezes parece bizarro e que na verdade para eles é super normal. A aceitar os olhares curiosos e, muitas vezes, bem estranhos. Me fez sentir uma idiota por perceber o quanto eu gastava de dinheiro em São Paulo (certamente a Índia é um dos lugares mais baratos para viajar). Foi ridiculamente barato e tão enriquecedor. Me fez sentir bem com o fato de ficar 4 meses lá e sair e continuar não entendendo muito aquele lugar. Parece exagero, mas é a mais pura verdade. Quando cheguei, queria entender o porquê de tudo, e na verdade as coisas nunca vão fazer sentido para nós, ocidentais. O ponto chave de tudo é estar aberto para isso. E acho que o mais importante de tudo, fez eu me questionar e enxergar de outra maneira: Como eu escolhi um lugar que a buzina dura quase 24 horas por dia?  O que eu tou fazendo aqui? O que eu vim buscar aqui? Por que sonhei tanto conhecer esse lugar?

Não sei. Mas acho que deixei um pouco de mim no meio daquelas estradas terríveis rumo ao norte enquanto ouvia isso aqui.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s